DOM BOSCO

Dom BoscoUm dos fatores que constrói a nossa unidade como Congregação e Família Salesiana, o primeiro, o mais forte, é o amor de Dom Bosco. Clique aqui e saiba mais sobre a vida desse Mestre.

ENSINO FUNDAMENTAL

Ensino Fundamental

Os alunos, nesta fase, já experimentam atividades diferenciadas, com diversidade de conteúdos, para solidificar cada vez mais o senso de organização e os hábitos de estudo... Saiba mais!

TEATRO DOM BOSCO

Teatro Dom Bosco

O Teatro Artístico Cultural Dom Bosco acolhe, com muito conforto e brilho, espetáculos de dança, orquestras, música popular, óperas, peças teatrais e musicais...

Dom Bosco

16 de Agosto de 1815 - 31 de Janeiro de 1888

São João Bosco é um dos Santos mais populares da Igreja e do mundo.

Foi sua missão específica a educação cristã da juventude, num tempo em que essa porção da sociedade humana começava a ser atacada por novos e perigosos inimigos.

Dom Bosco nasceu em Becchi no Piemonte, Itália, a 16 de agosto de 1815. Era filho de humilde família de camponeses. Órfão de pai aos dois anos, viveu sua mocidade e fez os primeiros estudos no meio de inumeráveis trabalhos e dificuldades. Em 1835 entrou para o seminário de Chieri. Ordenado Sacerdote a 5 de junho de 1841, principiou logo a dar provas do seu zelo apostólico, sob a direção de São José Casfasso, seu confessor.

Em 1846 estabelece-se definitivamente em Valdocco, bairro de Turim, onde fundou o Oratório de São Francisco de Sales. Ao Oratório juntou uma escola profissional, depois um ginásio, um internato etc.

Em 1855 deu o nome de Salesianos aos seus colaboradores e em 1859 fundou com seus jovens a Sociedade ou Congregação Salesiana. Com a ajuda de Santa Maria D. Mazarello, fundou em 1872 o Instituto das Filhas de Maria Auxiliadora para a educação da juventude feminina.

Enviou em 1875 a primeira turma de seus missionário à América do Sul. Foi ele quem mandou os Salesianos para fundar o Colégio Santa Rosa em Niterói, primeira casa Salesiana do Brasil, e o Liceu Coração de Jesus em São Paulo. Consumido pelo trabalho, fechou o ciclo de sua vida terrena aos 72 anos de idade, a 31 de janeiro de 1888.

Se em vida foi honrado e admirado, muito mais o foi depois da morte. O seu nome de renovador do Sistema preventivo na educação da juventude, de defensor intrépido da Santa Igreja Católica e de apóstolo da Virgem Auxiliadora se espalhou pelo mundo inteiro e ganhou o coração dos povos. Pio XI na Páscoa de 1934, canonizou-o.

Clima de Salesiano!

Pai dos Jovens
Joãozinho Bosco nasceu em 16 de agosto de 1815 numa pequena fração de Castelnuovo D'Asti, no Piemonte (Itália), chamada popularmente de "os Becchi".

Ainda criança, a morte do pai fez com que experimentasse a dor de tantos pobres órfãos dos quais se fará pai amoroso. Em Mamãe Margarida, porém, teve um exemplo de vida cristã que marcou profundamente o seu espírito.

Aos nove anos teve um sonho profético: pareceu-lhe estar no meio de uma multidão de crianças ocupadas em brincar; algumas delas, porém, proferiam blasfêmias. Joãozinho lançou-se, então, sobre os blasfemadores com socos e ponta-pés para fazê-los calar; eis, contudo, que se apresenta um Personagem dizendo-lhe: "Deverás ganhar estes teus amigos não com bastonadas, mas com a bondade e o amor... Eu te darei a Mestra sob cuja orientação podes ser sábio, e sem a qual, qualquer sabedoria torna-se estultícia". O Personagem era Jesus e a Mestra Maria Santíssima, sob cuja orientação se abandonou por toda a vida e a quem honrou com o título de "Auxiliadora dos Cristãos".

Foi assim que João quis aprender a ser saltimbanco, prestidigitador, cantor, malabarista, para poder atrair a si os companheiros e mantê-los longe do pecado. "Se estão comigo, dizia à mãe, não falam mal". Desejando fazer-se padre para dedicar-se totalmente à salvação das crianças, enquanto trabalhava de dia, passava as noites sobre os livros, até que, aos vinte anos, pode entrar no Seminário de Chieri e, em 1841, ser ordenado Sacerdote em Turim, aos vinte e seis anos. Turim, naqueles tempos, estava cheia de jovens pobres em busca de trabalho, órfãos ou abandonados, expostos a muitos perigos para alma e para o corpo. Dom Bosco começou a reuni-los aos domingos, às vezes numa igreja, outras num prado, ou ainda numa praça para fazê-los brincar e instruí-los no Catecismo até que, após cinco anos de grandes dificuldades, conseguiu estabelecer-se no bairro periférico de Valdocco e abrir o seu primeiro Oratório.

Pai dos JovensOs garotos encontravam aí alimento e moradia, estudavam ou aprendiam uma profissão, mas sobretudo aprendiam a amar o Senhor: São Domingos Sávio era um deles. Dom Bosco era amado incrivelmente pelos seus "molequinhos" (como os chamava). A quem lhe perguntava o segredo de tanta ascendência, respondia: "Com a bondade e o amor, eu procuro ganhar estes meus amigos para o Senhor". Sacrificou por eles seu pouco dinheiro, seu tempo, seu engenho, que era agudíssimo, sua própria saúde. Com eles se fez santo. Para eles fundou a Congregação Salesiana, formada por sacerdotes e leigos que querem continuar a sua obra e à qual deu como "finalidade principal apoiar e defender a autoridade do Papa".

(continua...)

Continua...

Pai dos JovensQuerendo estender o seu apostolado também às meninas, fundou, com Santa Maria Domingas Mazzarello, a Congregação das Filhas de Maria Auxiliadora. Os Salesianos e as Filhas de Maria Auxiliadora espalharam-se pelo mundo todo a serviço dos jovens, dos pobres e dos que sofrem, com escolas de todos os tipos e graus, institutos técnicos e profissionais, hospitais, dispensários, oratórios e paróquias. Dedicou todo o seu tempo livre subtraído, muitas vezes, ao sono, para escrever e divulgar opúsculos fáceis para a instrução cristã do povo.

Foi, além de um homem de caridade operosa, um místico entre os maiores. Toda a sua obra foi haurida na união íntima com Deus que, desde jovem, cultivou zelosamente e desenvolveu no abandono filial e fiel ao plano que Deus tinha predisposto para ele, guiado passo a passo por Maria Santíssima, que foi a Inspiradora e a Guia de toda a sua ação.

Sua perfeita união com Deus foi, talvez como em poucos Santos, unida a uma humanidade entre as mais ricas pela bondade, inteligência e equilíbrio, à qual se acrescenta o valor de um conhecimento excepcional do espírito, amadurecido nas longas horas passadas todos os dias no ministério das confissões, na adoração ao Santíssimo Sacramento e no contato contínuo com os jovens e com pessoas de todas as idades e condições.

Dom Bosco formou gerações de santos porque levou os seus jovens ao amor de Deus, à realidade da morte, do julgamento de Deus, do Inferno eterno, da necessidade de rezar, de fugir do pecado e das ocasiões que levam a pecar, e de aproximar-se freqüentemente dos Sacramentos.
"Meus caros, eu vos amo de todo o coração, e basta que sejais jovens para que vos ame muitíssimo". Amava de tal forma que cada um pensava ser o predileto.
Pai dos Jovens"Encontrareis escritores muito mais virtuosos e doutos do que eu, mas dificilmente podereis encontrar alguém que vos ame mais em Jesus Cristo, e mais do que eu deseje a vossa verdadeira felicidade".

Extenuado em suas forças pelo incessante trabalho, adoentou-se gravemente. Particular comovente: muitos jovens ofereceram ao Senhor a própria vida por ele. "... Aquilo que fiz, eu o fiz para o Senhor... Poder-se-ia ter feito mais... Mas os meus filhos o farão... A nossa Congregação é conduzida por Deus e protegida por Maria Auxiliadora".
Uma de suas recomendações foi esta: "Dizei aos jovens que os espero no Paraíso...". Expirava em 31 de janeiro de 1888, em seu pobre quartinho de Valdocco, aos 72 anos de idade. Em 1° de Abril de 1934, foi proclamado santo pelo papa Pio XI, que teve a felicidade de conhecê-lo.

(fonte: www.sdb.org)

Volta...

Sonho dos 9 anosNa idade de 9 anos tive um sonho, que me ficou profundamente impresso na mente por toda a vida. Pareceu-me estar perto de casa. Numa área bastante espaçosa onde uma multidão de meninos estava a brincar. Alguns riam, outros divertiam-se, não poucos blasfemavam. Ao ouvir as blasfêmias, lancei-me de pronto no meio deles, tentando, com socos e palavras, fazê-los calar.

Neste momento apareceu um homem venerando, de aspecto varonil, nobremente vestido. Um manto branco cobria-lhe o corpo; seu rosto, porém, era tão luminoso que eu não conseguia fitá-lo. Chamou-me pelo nome e mandou que me pusesse à frente daqueles meninos, acrescentando estas palavras:

- Não é com pancadas, mas com a mansidão e a caridade que deverás ganhar esses teus amigos. Põe-te imediatamente a instruí-los sobre a fealdade do pecado e a preciosidade da virtude.

Confuso e assustado, repliquei que eu era um menino pobre e ignorante, incapaz de lhes falar de religião. Senão quando aqueles meninos, parando de brigar, de gritar e blasfemar, juntaram-se ao redor do personagem que estava a falar.

Quase sem saber o que dizer, acrescentei:

- Quem sois vós que me ordenais coisas impossíveis?

Pai dos Jovens- Justamente porque te parecem impossíveis, deves torná-las possíveis com a obediência e a aquisição da ciência.

- Onde, com que meios poderei adquirir a ciência?

- Eu te darei a mestra, sob cuja orientação poderás tornar-te sábio, e sem a qual toda sabedoria se converte em estultície.

- Mas quem sois vós que assim falais?

- Sou o filho daquela que tua mãe te ensinou a saudar três vezes ao dia.

- Minha mãe diz que sem sua licença não devo estar com gente que não conheço; dizei-me, pois, vosso nome.

- Pergunta-o à minha mãe

(continua...)

Continua...

Nesse momento vi ao seu lado uma senhora de aspecto majestoso, vestida de um manto todo resplandecente, como se cada uma de suas partes fosse fulgidíssima estrela. Percebendo-me cada vez mais confuso em minhas perguntas e respostas, acenou para que me aproximasse e, tomando-me com bondade pela mão, disse:

- Olha.

Vi então que todos os meninos haviam fugido, e em lugar deles estava uma multidão de cabritos, cães, gatos, ursos, e outros animais.

- Eis o teu campo, onde deves trabalhar. Torna-te humilde, forte, robusto; e o que agora vês a esses animais, deves fazê-los aos meus filhos.

Tornei então a olhar, e em vez de animais ferozes apareceram mansos cordeiros que, saltitando e balindo, corriam ao redor daquele homem e daquela senhora, como a fazer-lhes festa.

Neste ponto, sempre no sonho, desatei a chorar, e pedi que falassem de maneira que eu pudesse compreender, porque não sabia o que significava tudo aquilo. A senhora descansou a mão em minha cabeça dizendo:

- A seu tempo tudo compreenderás.

Após essas palavras, um ruído qualquer me acordou, e tudo desapareceu.

Pai dos JovensPermaneci atônito. Parecia que minhas mãos doíam devido aos socos que tinha dado, que minha face doía pelos socos recebidos. Aquele personagem, aquela senhora, as coisas ditas e ouvidas, me ocuparam de tal forma a mente que não consegui retomar o sono aquela noite."

P. João Bosco

Volta...

Entre os fatores que constróem a nossa unidade como Congregação e como Família Salesiana, o primeiro, o mais forte, é o amor a Dom Bosco. É uma simpatia, uma admiração, um sentimento, uma atração, uma espécie de energia "instintiva", que se orienta depois à imitação, ao querer estar espiritualmente com ele, ao envolvimento em sua obra.

Sabemos que é a graça que está na origem da nossa vocação. Orientando-nos a Dom Bosco, como Pai, Mestre e Amigo, o Espírito Santo levou-nos à consagração religiosa, caracterizada pela missão juvenil e pela preocupação educativa.

Na tradição salesiana esse afeto manifesta-se sempre sem pudor, quase com entusiasmo juvenil, prolongando a admiração dos primeiros jovens oratorianos que quiseram "ficar com Dom Bosco" e formaram o primeiro núcleo da Congregação. É o sinal de uma relação filial, profundamente sentida.

Esse entusiasmo e admiração passa, em todos os lugares, dos salesianos aos jovens, que o exprimem de múltiplas formas, segundo o próprio estilo: com cantos, apresentações, camisetas, celebrações, peregrinações, leitura de alguma biografia, apresentação de filmes e vídeos, prazer de estar e ocupar-se em nossas obras, amizade com os irmãos. Uma coleção comum de canções e odes sacras já atravessa o mundo e é ouvida em todas as línguas.

Toquei com as mãos dois resultados desse afeto. No jovem, ele é gerador de iniciativas, pensamentos, desejos e projetos na linha do empenho e do crescimento na fé. É um poderoso fator vocacional. Nas comunidades, ele é fonte de alegria, de confiança no próprio trabalho, de serena pertença e identificação. Mesmo nos casos em que um observador um tanto crítico visse aí um pouco de ingenuidade ou exagero, os frutos que dele resultam são positivos. A frieza e o desapego, diversamente, parecem estéreis.
Pai dos JovensA admiração vai além do nosso ambiente. Comentários, necessariamente gerais, sobre a genialidade e originalidade de Dom Bosco são escutados de instâncias eclesiais, de autoridades civis e de gente comum. Muitas expectativas são criadas quanto à aplicação de seus métodos e à criação de iniciativas educativas como aquela a que ele deu origem.

Interessou-me o estudo sobre a formação da imagem de Dom Bosco [1] . Nela influenciou, certamente, a adesão de seus jovens, conquistados pela sua capacidade de amá-los e abri-los à vida. Eles recolheram e difundiram episódios anedóticos, sonhos e empreendimentos com extraordinária vivacidade narrativa quando ainda não existiam os modernos meios de comunicação. Transmitiram a sua experiência, fazendo quase sentir presente a paternidade fascinante de Dom Bosco. Isso ficou entre as nossas características carismáticas e pastorais: o amor entusiasta ao Fundador e a sua comunicação aos jovens.
(continua...)

Continua...

Influi também o modo com que eram apresentadas as suas empresas pelo Boletim Salesiano, sob a sua direção e segundo seus critérios. O bem deve ser difundido e deve ser apresentado de forma atraente.

Influiu, sobretudo, o impacto direto do estilo e dos resultados educativos numa sociedade preocupada com o fenômeno juvenil.

- origem há uma santidade muito típica, marcada pela caridade pastoral, capaz de alcançar o coração das pessoas, atenta às questões do seu tempo. Congar, num conhecido comentário sobre o Concílio, referia-se assim à figura de Dom Bosco:

- A maior novidade do Concílio é esta: se a Igreja vive no mundo e os problemas encontram-se no mundo, a santidade é um fenômeno que interessa a cultura. Pode parecer um conceito discutível, mas um ponto central das intuições do Concílio é que a santidade tem algo a ver com a história. Com a Encarnação, a história do homem é um lugar onde exprime-se o amor de Deus; a santidade não nasce portanto da fuga ou da rejeição do mundo, porque é na medida em que eu me lanço no mundo para salvá-lo que encontro o grande dom de Deus.

Quem são os santos? Agrada-me recordar antes de tudo aquele que precedeu o Concílio de um século: Dom Bosco. Dom Bosco já foi profeticamente um novo modelo de santidade pela sua obra que se distingue do modo de pensar e de julgar dos contemporâneos - [2] .

Nós o estudamos e o imitamos - [3] , dizem as Constituições. Parecem dois momentos relacionados. Hoje, fala-se muito de fidelidade criativa em relação à vida consagrada. Uma aproximação séria e uma atenção renovada não só Pai dos Jovensnão ameaçam a imagem do nosso Pai, iluminada pelo afeto e pela tradição que soube manter viva a lembrança de seus gestos, mas dão razão da sua permanente validade colocando-a em seu contexto histórico e eclesial.

(ACG 364- Juan Vecchi)


[1] cf. Stella P., Don Bosco nella storia della religiosità cattolica, Vol. III; cap. I, p. 13-61

[2] Congar, Rádio Vaticana, 20-2-84; Avvenire 22-2-84

[3] Capítulo Geral 21

Volta...




1º.
P. Migual Rua
Bem-aventurado
(1888 - 1910)

2º.
P. Paulo Álbera
(1910 - 1921)

3º.
P. Filipe Rinaldi
Bem-aventurado
(1922 - 1931)

4º.
P. Pedro Ricaldone
(1932 - 1951)

5º.
P. Renato Ziggiotti
(1952 - 1965)

6º.
P. Luís Ricceri
(1965 - 1977)

7º.
P. Egídio Viganò
(1977 - 1995)

8º.
P. Juan Vecchi
(1995 - 2002)

9º.
P. Pascual Chávez
(desde 2002)

De 1815 a 1850

  • 1815 (16 de agosto): Dom Bosco nasce em Becchi (Asti-Itália)
  • 1817 Joãozinho, com dois anos, perde o pai..
  • 1825 Joãozinho vê sua missão prefigurada num "sonho".
  • 1835 Veste o hábito clerical e entra para o seminário.
  • 1837 (9 de maio): Nasce em Mornese (Itália) Santa Maria Mazzarello, co-fundadora das Filhas de Maria Auxiliadora (FMA).
  • 1841 (5 de junho): Dom Bosco é ordenado sacerdote em Turim (Itália).
  • 1841 (8 de dezembro): Dom Bosco inicia com uma catequese seu apostolado entre os jovens, em Turim.
  • 1842 (2 de abril): Nasce São Domingos Sávio.
  • 1845 Dom Bosco inicia as escolas noturnas.
  • 1846 (12 de abril): Dom Bosco se fixa em Valdocco (Turim).
  • 1847 Abre um segundo Oratório em Turim - Porta Nova.
  • 1848 Dom Bosco é considerado louco por aqueles a quem confia seu projeto pastoral.

De 1851 a 1864

  • 1851 (2 de fevereiro): Seus primeiros clérigos vestem batina.
  • 1852 (31 de março): Dom Bosco é reconhecido oficialmente, pelo seu bispo, como diretor de três Oratórios Festivos, em Turim.
  • 1853 Dom Bosco abre as escolas profissionais internas, funda sua primeira banda musical e lança as "Leituras Católicas", sua primeira revista popular.
  • 1854 (26 de janeiro): Dá o nome de "Salesianos" a seus ajudantes.
  • 1854 (2 de outubro): Encontra Domingos Sávio.
  • 1855 (25 de março): Primeiros passos da nascente Sociedade Salesiana: o clérigo Rua emite os votos particulares nas mãos de Dom Bosco.
  • 1855 Pe. Domingos Pestarino funda em Mornese (Alessandria) associação da qual se desenvolverão as Filhas de Maria Auxiliadora.
  • 1856 (25 de novembro): Morre Mamãe Margarida.
  • 1857 (9 de março): Domingos Sávio morre..
  • 1858 Primeira visita de Dom Bosco a Roma e ao Papa.
  • 1859 (9 de dezembro): Dom Bosco comunica a decisão de fundar a Congregação Salesiana.
  • 1859 (18 de dezembro):Dom Bosco promove o primeiro Capítulo Superior Salesiano.
  • 1860 (12 de junho): 26 salesianos aceitam as Constituições (Regras) da Congregação.
  • 1860 Dom Bosco recebe entre os salesianos o primeiro leigo: o coadjutor José Rossi.
  • 1861 Dom Bosco abre a primeira tipografia.
  • 1862 (14 de maio): Os primeiros 22 salesianos emitem a profissão nas mãos de Dom Bosco.
  • 1863 (20 de outubro): Dom Bosco abre a primeira casa fora de Turim (em Mirabello-Monferrato).
  • 1864 (23 de julho): A Congregação Salesiana recebe o primeiro reconhecimento da Santa Sé (Decreto de Louvor).
  • 1864 (outubro): Dom Bosco encontra Maria Mazzarello em Mornese.

Continua...

De 1865 a 1875

  • 1865 (13 de novembro): Primeira láurea conseguida por um salesiano (Pe. João Batista Francesia).
  • 1868 (9 de junho): Consagração da Basílica de Maria Auxiliadora em Turim.
  • 1869 (18 de abril): Dom Bosco funda em Turim a Arquiconfraria de Maria Auxiliadora.
  • 1870 (junho): Nasce em Valdocco a "Sociedade dos Antigos Alunos do Oratório Salesiano" de onde se desenvolverá a Associação Ex-alunos de Dom Bosco.
  • 1870 (setembro): Primeira casa aberta fora do Piemonte (em Alássio, província de Savona).
  • 1872 (5 de agosto): É fundado em Mornese o Instituto das FMA.
  • 1874 (3 de abril): A Santa Sé aprova as Constituições Salesianas.
  • 1875 (13 de novembro): Primeira expedição missionária salesiana parte para a América.
  • 1875 (21 de novembro): Abre-se a primeira casa salesiana fora da Itália (Nice, França).

De 1876 a 1989

  • 1876 (9 de maio): A Santa Sé aprova a Associação dos Cooperadores Salesianos.
  • 1877 (agosto): Dom Bosco publica primeiro número do Boletim Salesiano.
  • 1877 (1º de setembro): As FMA abrem a primeira casa fora da Itália (Nice, França).
  • 1877 (5 de setembro): Os Salesianos realizam seu primeiro Capítulo Geral.
  • 1877 (14 de novembro):As primeiras seis FMA partem da Itália para as missões da América.
  • 1879 Primeiro contato dos missionários salesianos com os índios da Patagônia (Argentina).
  • 1880 Salesianos e FMA abrem as primeiras obras missionárias na Patagônia (Argentina).
  • 1881 (14 de maio): Morre Madre Maria Mazzarello.
  • 1881 Início da obra Salesiana na Espanha.
  • 1883 (fevereiro-maio): Dom Bosco visita a França.
  • 1883 (14 de julho): Início da obra salesiana no Brasil.
  • 1884 As FMA realizam seu primeiro Capítulo Geral.
  • 1884 (7 de dezembro): Primeiro salesiano Bispo (Dom João Cagliero).
  • 1885 Visita de Dom Bosco a Barcelona (Espanha).
  • 1886 Visita di Don Bosco a Barcelona.
  • 1887 (19 de março): Início da obra salesiana no Chile.
  • 1887 (14 de maio): Consagração da Basílica do Sagrado Coração de Jesus-Roma.
  • 1888 (31 de janeiro): Morre Dom Bosco (deixa 773 Salesianos e 393 Filhas de Maria Auxiliadora).
  • 1890 Abertura do processo de canonização de Dom Bosco.
  • 1929 (2 de junho): Dom Bosco é proclamado Bem-aventurado.
  • 1934 (1º de abril): Dom Bosco é declarado Santo.
  • 1946 (24 maio): Dom Bosco é declarado patrono dos editores católicos.
  • 1989 (24 de janeiro): O Papa João Paulo II proclama oficialmente Dom Bosco "Pai e Mestre da juventude".
(fonte: www.sdb.org)

Volta...

Continua...

 

Volta...
Rua Dom Henrique Mourão, 201 - Santa Terezinha - São Paulo - SP - 02405-030
tel: (11) 2971-6900 - fax: (11) 2973-0079