Horários das Aulas

Ed. Inf. e 1º ano - 7h às 11h50 / 13h às 17h50.
COM PERÍODO INTEGRAL OPCIONAL.

Ens. Fundamental

- 2º ao 5º ano - 7h às 12h / 13h às 18h.

- 6º ao 9º ano - 7h às 12h30.

Ensino Médio - 7h às 12h30.

Com dia integral

- 1ª e 2ª série - 2ª e 4ª feira das 13h50 às 17h30.

- 3ª série - 2ª e 4ª feira das 13h50 às 16h20.

Venha conhecer o colégio

Visitas: de terça a sexta às 8h ou às 16h.
Deverá ser realizado um agendamento prévio por meio do número de telefone 2971-6900 ramal: 121, 232 e 115.

Atendimento Secretaria

Segunda a sexta, das 8h às 17h.

Endereço

Rua Dom Henrique Mourão, 201
Santa Terezinha - São Paulo - SP - 02405-030

tel: (11) 2971-6900 - fax: (11) 2973-0079

como chegar

Aulaweb

Ferramenta de apoio ao aluno. Nela, os professores disponibilizam aulas, leituras extras, arquivos de apoio, lista de exercício, links entre outros materiais que podem contribuir para o processo de ensino.

Acadêmico Web

Por meio dessa ferramenta é possível verificar o rendimento escolar do aluno a partir do 2º ano, e o acompanhamento pedagógico a partir do 6º ano.

Colégio

Dom Bosco
Um Santo que Fascina

Colégio > Dom Bosco




Um Santo que Fascina
Entre os fatores que constróem a nossa unidade como Congregação e como Família Salesiana, o primeiro, o mais forte, é o amor a Dom Bosco. É uma simpatia, uma admiração, um sentimento, uma atração, uma espécie de energia "instintiva", que se orienta depois à imitação, ao querer estar espiritualmente com ele, ao envolvimento em sua obra.

Sabemos que é a graça que está na origem da nossa vocação. Orientando-nos a Dom Bosco, como Pai, Mestre e Amigo, o Espírito Santo levou-nos à consagração religiosa, caracterizada pela missão juvenil e pela preocupação educativa.

Na tradição salesiana esse afeto manifesta-se sempre sem pudor, quase com entusiasmo juvenil, prolongando a admiração dos primeiros jovens oratorianos que quiseram "ficar com Dom Bosco" e formaram o primeiro núcleo da Congregação. É o sinal de uma relação filial, profundamente sentida.

Esse entusiasmo e admiração passa, em todos os lugares, dos salesianos aos jovens, que o exprimem de múltiplas formas, segundo o próprio estilo: com cantos, apresentações, camisetas, celebrações, peregrinações, leitura de alguma biografia, apresentação de filmes e vídeos, prazer de estar e ocupar-se em nossas obras, amizade com os irmãos. Uma coleção comum de canções e odes sacras já atravessa o mundo e é ouvida em todas as línguas.

Toquei com as mãos dois resultados desse afeto. No jovem, ele é gerador de iniciativas, pensamentos, desejos e projetos na linha do empenho e do crescimento na fé. É um poderoso fator vocacional. Nas comunidades, ele é fonte de alegria, de confiança no próprio trabalho, de serena pertença e identificação. Mesmo nos casos em que um observador um tanto crítico visse aí um pouco de ingenuidade ou exagero, os frutos que dele resultam são positivos. A frieza e o desapego, diversamente, parecem estéreis. Pai dos JovensA admiração vai além do nosso ambiente. Comentários, necessariamente gerais, sobre a genialidade e originalidade de Dom Bosco são escutados de instâncias eclesiais, de autoridades civis e de gente comum. Muitas expectativas são criadas quanto à aplicação de seus métodos e à criação de iniciativas educativas como aquela a que ele deu origem.

Interessou-me o estudo sobre a formação da imagem de Dom Bosco [1] . Nela influenciou, certamente, a adesão de seus jovens, conquistados pela sua capacidade de amá-los e abri-los à vida. Eles recolheram e difundiram episódios anedóticos, sonhos e empreendimentos com extraordinária vivacidade narrativa quando ainda não existiam os modernos meios de comunicação. Transmitiram a sua experiência, fazendo quase sentir presente a paternidade fascinante de Dom Bosco. Isso ficou entre as nossas características carismáticas e pastorais: o amor entusiasta ao Fundador e a sua comunicação aos jovens.

Influi também o modo com que eram apresentadas as suas empresas pelo Boletim Salesiano, sob a sua direção e segundo seus critérios. O bem deve ser difundido e deve ser apresentado de forma atraente.

Influiu, sobretudo, o impacto direto do estilo e dos resultados educativos numa sociedade preocupada com o fenômeno juvenil.

- origem há uma santidade muito típica, marcada pela caridade pastoral, capaz de alcançar o coração das pessoas, atenta às questões do seu tempo. Congar, num conhecido comentário sobre o Concílio, referia-se assim à figura de Dom Bosco:

- A maior novidade do Concílio é esta: se a Igreja vive no mundo e os problemas encontram-se no mundo, a santidade é um fenômeno que interessa a cultura. Pode parecer um conceito discutível, mas um ponto central das intuições do Concílio é que a santidade tem algo a ver com a história. Com a Encarnação, a história do homem é um lugar onde exprime-se o amor de Deus; a santidade não nasce portanto da fuga ou da rejeição do mundo, porque é na medida em que eu me lanço no mundo para salvá-lo que encontro o grande dom de Deus.

Quem são os santos? Agrada-me recordar antes de tudo aquele que precedeu o Concílio de um século: Dom Bosco. Dom Bosco já foi profeticamente um novo modelo de santidade pela sua obra que se distingue do modo de pensar e de julgar dos contemporâneos - [2].

Nós o estudamos e o imitamos - [3] , dizem as Constituições. Parecem dois momentos relacionados. Hoje, fala-se muito de fidelidade criativa em relação à vida consagrada. Uma aproximação séria e uma atenção renovada não só Pai dos Jovensnão ameaçam a imagem do nosso Pai, iluminada pelo afeto e pela tradição que soube manter viva a lembrança de seus gestos, mas dão razão da sua permanente validade colocando-a em seu contexto histórico e eclesial.

(ACG 364- Juan Vecchi)

[1] cf. Stella P., Don Bosco nella storia della religiosità cattolica, Vol. III; cap. I, p. 13-61

[2] Congar, Rádio Vaticana, 20-2-84; Avvenire 22-2-84

[3] Capítulo Geral 21

Veja Mais

Infantil I

O INFANTIL I LEVANTOU
POEIRA NO CARNAVAL!

A Ala do Infantil I é ALEGRIA!

Ensino Fundamental I

FORMAÇÃO REDE
SALESIANA DE ESCOLAS

Sábado também é dia de professoras e coordenação estudarem

5º ano

PLURALIDADE
CULTURAL

Alunos do 5º ano fazem releitura de obra de Tarsila do Amaral