Olimpíadas Científicas: estímulo na formação dos estudantes

As Olimpíadas Científicas têm o objetivo de incentivar os estudos, ampliar conhecimentos e permitir a descoberta de talentos nas diversas áreas de conhecimento. Para Luciano Ishihara Soares de Castro, coordenador pedagógico da 2ª e 3ª série do Ensino Médio do Colégio Salesiano Santa Teresinha, de São Paulo (SP), “além de ampliar o conhecimento do aluno, a participação nas olimpíadas ajuda a expandir suas ideias, fortalecendo o raciocínio e principalmente exercitando sua criatividade”.

 

Em 2020, mesmo sendo um ano atípico, foram mais de 300 participações de alunos do Colégio em olimpíadas científicas!

 

O coordenador do 9º ano do Ensino Fundamental e da 1ª série do Ensino Médio, Robson Cesar Cardoso, acrescenta que “as olimpíadas, de uma maneira geral, estimulam naturalmente os jovens a se encantarem pelas Ciências. Além disso, incentivam a solução de problemas, envolvendo diferentes fenômenos, além de possibilitar a compreensão e o entendimento do mundo, contribuindo não só para a formação de futuros cientistas, mas também para formar jovens prontos para viverem em um mundo de alta tecnologia, como o que vivemos”.

 

Antonio Carlos Martins, coordenador das turmas de 6º ao 8º ano, conta que, em 2020, mais de 100 alunos desde o 6º ano mostraram-se motivados a participar da Olimpíada Internacional Canguru de Matemática.

 

Em 2021, duas competições estão em andamento com a participação de alunos do Salê. A OBF (Olimpíada Brasileira de Física), que é uma das olimpíadas aceitas para o ingresso em universidades e que conta com dois alunos na última fase da competição: Fabio Seiti Rodota Imai e João Vitor Campos Chahad, ambos da 2ª série do Ensino Médio. Os melhores classificados representarão o Brasil nas Seletivas para as Olimpíadas Internacionais de Física (SOIF).

 

Alunos em preparação para a OBF

 

O aluno Fabio conta que começou a se interessar por Física no 9º ano, por meio de um Clube de Ciências organizado pelo coordenador Robson. “Participar de olimpíadas é sempre muito desafiador, é necessário estudar além do que aprendemos na escola e, chegando até agora na terceira fase da OBF, percebo que as horas de estudo estão sendo recompensadas. Graças à Física, pretendo cursar Engenharia Aeronáutica no ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica), o que acaba sendo ainda mais desafiador”, acrescenta.

 

Cerca de 40 alunos do Salê também estão se preparando para a OBECON (Olimpíada Brasileira de Economia). A prova envolve questões de História Econômica, Geografia (especialmente Geografia Política), Matemática Financeira, Finanças e Investimentos, Economia Comportamental e conceitos de Economia em geral. 

 

Aula em preparação para a OBECON

 

Um destaque de 2020 foi a primeira participação do Colégio Salesiano Santa Teresinha na IPO (Olimpíada Internacional de Filosofia), que conta com cerca de cinquenta países e recebe o apoio institucional da Unesco e da Federação Internacional de Sociedades de Filosofia. Os alunos Pedro Henrique Nogarini Cid e Ana Carolina Valente Tocarevicz conquistaram, respectivamente, medalha de prata (2º lugar do Brasil) e medalha de ouro (1° lugar em São Paulo). Pedro Henrique foi um dos selecionados para representar o Brasil na IPO Lisboa 2020.

 

Também no difícil ano de 2020, 77 alunos do Colégio Salesiano Santa Teresinha participaram da ONHB (Olimpíada Nacional em História do Brasil), promovida pela UNICAMP.

 

Inegavelmente, as olimpíadas demonstram sua importância na formação pessoal, acadêmica e profissional dos alunos, a curto, médio e longo prazo.